Itaipu estuda a possibilidade de criar escritório conjunto com a ONU para promover ODS

Crédito: Alexandre Marchetti/Itaipu Binacional

Diretores brasileiros e paraguaios da Itaipu Binacional, reunidos na última quinta-feira (6) em Curitiba, discutiram a possibilidade de criar um escritório conjunto com o Departamento de Assuntos Econômicos e Sociais da Organização das Nações Unidas (Undesa). O assunto foi tratado na 1.003ª Reunião de Diretoria Executiva (RDE) da Itaipu, promovida no Chapéu do Pensador, na capital paranaense.

A criação do escritório daria prosseguimento ao compromisso assumido pela empresa com a Undesa, no último mês de abril, em Nova York. Na ocasião, os diretores-gerais da Itaipu, Luiz Fernando Vianna (Brasil) e James Spalding (Paraguai) firmaram um acordo com o diretor de Desenvolvimento Sustentável da UNDESA, Juwang Zhu, voltado ao compartilhamento de boas práticas relacionadas aos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS) 6 e 7, que tratam de água e energia.

“A Itaipu é um exemplo de empreendimento binacional que deu certo. Uma empresa que gera energia limpa e renovável, com responsabilidade socioambiental e com uma série de iniciativas que são referência”, afirmou Vianna.

Os detalhes sobre o funcionamento do escritório binacional, que deverá ser instalado na área da própria usina, ainda serão definidos. Entre os dias 17 e 19 de julho, a Itaipu participará de um fórum da ONU em Nova York voltado a lideranças empresariais. O objetivo é discutir estratégias de promoção dos ODS e da Agenda 2030, que contém uma série de metas globais para redução da pobreza e dos desequilíbrios ambientais, e para a promoção da sustentabilidade nos mais diversos campos.

Compliance

Além do acordo com a Undesa, a 1.003ª RDE da Itaipu também teve como tema a criação de um programa de compliance binacional. O programa terá coordenadores em cada margem da usina. Também será criado um Código de Conduta e Ética, mais amplo e detalhado do que o atual Código de Ética da empresa. “O programa de compliance tem como objetivo tornar nossas ações mais transparentes e em conformidade com as normas e o Tratado que regem a Itaipu”, completou Vianna.

As RDEs são encontros quinzenais das diretorias brasileira e paraguaia da Itaipu, normalmente realizados no Edifício da Produção, localizado no ponto central da barragem, na fronteira entre Brasil e Paraguai. A última vez que foi realizada em Curitiba foi há 16 anos, em abril de 2001, além de duas outras oportunidades em 1996.

“Estamos muito contentes por estarmos aqui. Os temas tratados na reunião foram muito bem encaminhados”, afirmou o diretor-geral paraguaio James Spalding. “A Itaipu, apesar de ser binacional, é uma empresa só e temos tido uma sinergia muito grande entre as diretorias brasileira e paraguaia”, acrescentou.

 

Fonte




Compartilhar:

É um movimento que reúne as histórias de líderes empresariais com o objetivo de conectar, inspirar e educar jovens líderes para os valores da sustentabilidade. É ainda um conjunto de ferramentas – livros, portal, videopalestras, eventos educativos regionais e nacionais, cursos e conteúdos de apoio à educação de líderes – que se presta a apoiar empresas, associações classistas, escolas de negócio e universidades na gestão de conhecimento para a sustentabilidade.

Não. Embora relate histórias de presidentes de companhias, a Plataforma se destina a todo profissional que exerce algum tipo de liderança. O líder não está sentado apenas na cadeira de presidente. Pode estar nos diferentes escalões de uma empresa. Pode estar à frente de um departamento, de uma pequena empresa, de um empreendimento ou de algum processo.

Storytelling é a base metodológica da Plataforma Liderança Sustentável. São muitas as definições. A que utilizamos é a seguinte: usar a narrativa empresarial como meio para inspirar e educar pessoas. Bons líderes têm, entre as suas habilidades, a arte de contar histórias e envolver pessoas. Em vez de business cases, o que fazemos é estruturar narrativas que mostram como pensam, agem, tomam decisões e em que valores acreditam líderes sustentáveis. Essas narrativas, que combinam fatos empresariais e pessoais, estabelecem proximidade, proporcionam maior identificação, humanizam o discurso da sustentabilidade e, assim, ajudam a fazer a gestão do conhecimento para a mudança.

Não é um conceito, mas um nome que criamos para designar um tipo de líder que lidera com valores e pela sustentabilidade. Este perfil de liderança tem sido crescentemente mencionado em documentos internacionais, como os Princípios da Educação Empresarial Responsável e a Agenda 50+20, por organizações como o Pacto Global da ONU e o Pnuma e em eventos internacionais relevantes, como o Fórum de Davos e a Rio+20.

Não, não é necessário, desde que o material não seja usado para fins de lucro. Qualquer pessoa interessada em adotar os conteúdos da Plataforma poderá fazê-lo, bastando acessar o vídeo diretamente nos portais do Vimeo e do YouTube, onde estão arquivados. Recomendamos que, feita a utilização do material, o interessado envie depois por e-mail (plataforma@ideiasustentavel.com.br) um breve relato dos resultados e impactos em sala de aula, em palestras ou treinamentos.

Primeiro, ouvimos  entre 70 e 80 especialistas em sustentabilidade (acadêmicos, consultores, formadores de opinião) para elaborar uma lista inicial de indicações. As empresas mais indicadas são, posteriormente, estudadas pela equipe Ideia Sustentável (mediante análise de relatórios e entrevistas) para verificar se – e o quanto – estão adequadas ao tema do ano. Só, então, depois desse procedimento, são convidadas a participar. Em 2011, o tema foi o estado da arte da liderança sustentável. Em 2012, como as empresas estão educando os seus líderes para o tema. Em 2013, estratégia. Em 2014 e 2015, serão, respectivamente, inovação e comunicação.

Em 2011, com o lançamento do livro Conversas com Líderes Sustentáveis (Senac-SP). Observando que as histórias dos personagens do livro impactavam os ouvintes, e que um livro, por melhor que fosse, atingiria um público limitado, o autor, Ricardo Voltolini, convidou alguns dos presidentes a compor um movimento com o propósito inicial de realizar encontros empresariais pelo país. O livro foi consequência de pesquisa feita por Ideia Sustentável, em 2008, que apontou a liderança como a variável de sucesso mais importante para a inserção do conceito de sustentabilidade na gestão e na cultura dos negócios.

Com receita advinda do patrocínio de empresas apoiadoras que se identificam, institucional e ideologicamente, com a missão da Plataforma de inspirar e educar jovens líderes para a sustentabilidade. Os recursos destinam-se integralmente ao pagamento dos profissionais envolvidos na execução das atividades, pesquisa e produção de conhecimento, criação de videos inspiracionais/educacionais, organização de eventos (nacional e regionais) e  manutenção do portal.

Sim. Mas o apoio não é uma condição para integrar o conjunto de cases. O processo de seleção – já mencionado – obedece a critérios técnicos. E desse princípio Ideia Sustentável não abre mão sob pena de comprometer a qualidade das ideias e legitimidade das ações. Há empresas que integram o movimento e não o apoiam. Para apoiar, a empresa precisa se comprometer com os seis princípios da Plataforma. Ideia Sustentável se reserva o direito de não aceitar o apoio de empresas fabricantes de cigarros, de armas e envolvidas em negócios controversos, cujos impactos socioambientais sejam contestados pela maioria da sociedade.

Não, ela não é nem um prêmio nem um selo. É uma iniciativa de gestão de conhecimento que visa tão somente mostrar como as empresas e os seus líderes estão enfrentando os dilemas da inserção da sustentabilidade nos negócios. Não conferimos notas e avaliações a empresas, não transformamos líderes em gurus, não idolatramos pessoas e marcas, não atestamos idoneidade ética e moral nem oferecemos nenhum tipo de aval de que uma companhia é mais ou menos sustentável. Também não julgamos, por princípio, empresas e pessoas.

Parcerias