Coca-Cola Brasil vai levar água potável a 73 mil pessoas em 2019

ALIANÇA COLABORA  PARA O ACESSO À ÁGUA SEGURA DE 40 MIL PESSOAS EM 100 COMUNIDADES

Em 2019, meta do Água+ Acesso é beneficiar 73 mil pessoas, totalizando 190 comunidades rurais atendidas em oito estados

A aliança Água+ Acesso, liderada pelo Instituto Coca-Cola Brasil, chega ao final de 2018 contribuindo para ampliar o acesso à água segura para cerca de 40 mil pessoas de 100 comunidades em áreas rurais do Brasil. Formada em 2017, a aliança reúne algumas das principais organizações do setor para atuar em soluções inovadoras e modelos autossustentáveis para que este impacto seja efetivo e tenha continuidade. Dentre alguns dos desafios enfrentados em comunidades de áreas rurais em regiões como Nordeste e Norte estão o tratamento de água salobra, a alta carga de contaminação orgânica, metais pesados, assim como soluções de saneamento ou acesso à energia para bombeamento de água em áreas isoladas unifamiliares.

Até o momento, a Coca-Cola já investiu R$ 8 milhões na iniciativa e, até 2020, serão R$ 15 milhões para fomentar projetos de acesso e tratamento de água no Brasil. Atualmente, cerca de 85% dos beneficiados estão no Nordeste e outros 10% na região Norte.   Há projetos ainda em Minas Gerais e no Espírito Santo.  Ao longo de 2018, o programa ampliou a atuação de 15 para 100 comunidades e de três para oito estados.

O objetivo para o próximo ano é beneficiar mais 33 mil brasileiros, totalizando 73 mil pessoas em 190 comunidades atendidas. Para além de seguir ampliando ações e investimento na construção, reformas ou novas tecnologias para sistemas comunitários de água, em 2019 a Aliança Água+ Acesso prevê o fortalecimento e disseminação dos modelos de gestão comunitária, ampliação das parcerias e dos esforços para dar visibilidade ao tema, além de contribuir com políticas públicas relacionadas ao tema.

“Tempos o compromisso de ampliar o acesso à água segura de forma sustentável para comunidades rurais e isoladas de todo o Brasil. Os resultados e aprendizados de 2018 mostram que é possível atuar de forma coletiva e integrada com outras organizações sociais, públicas e privadas para superar grandes desafios e fazer a diferença na vida de dezenas de milhares de pessoas”, afirma Rodrigo Brito, gerente do Instituto Coca-Cola Brasil.

Um dos destaques que exemplifica o poder da iniciativas de impacto coletivo como a aliança foi a instalação de sistemas de abastecimento e redes de distribuição de água em comunidades ribeirinhas isoladas no Amazonas, em parceria com a Fundação Amazonas Sustentável. Por serem localidades distantes, de difícil acesso e sem rede elétrica, estas comunidades contam agora com uma tecnologia híbrida que mescla diesel e energia solar para bombear a água. A solução originalmente foi implementada no Pará pelo Projeto Saúde e Alegria, com apoio do Água+ Acesso, em 2017. Neste ano a solução foi disseminada graças aos intercâmbios e ambiente de colaboração.  Até o fim do ano, outras três comunidades ribeirinhas do Amazonas receberão o mesmo sistema.

Já no Vale do Jequitinhonha no norte de Minas Gerais, cerca de 450 pessoas de 129 famílias das comunidades de Tesouras, Malhada Preta e Santa Rita de Cássia em Araçuaí passaram a contar em 2018 com barragens e sistemas comunitários de distribuição de água que viabilizam não apenas o consumo humano como melhorias na produtividade de suas plantações. Além das barragens e sistemas comunitários, o projeto realizado pelo CPCD (Centro Popular de Cultura e Desenvolvimento) com apoio do Água+ Acesso também viabiliza às famílias destas comunidades a construção de banheiros secos, filtros domiciliares, assim como atividades para a proteção de nascentes e recuperação de áreas degradadas em conjunto com as famílias como o plantio de mudas e sementes.

Dona Sebastiana, foi uma das moradoras beneficiadas pelo projeto na comunidade de Malhada Preta, em Minas Gerais: “A única água que tínhamos por perto ficava a mais de uma hora de caminhada.  Não tínhamos água para nada e todos os dias tínhamos que trazer água no burro. Eram três viagens por dia e em cada carga trazíamos dois vasos de 50 litros cada. Em época de farinhada (manejo da  farinha), tinha muita gente trabalhando aqui e era preciso ir buscar até 12 cargas d’ água no burro pra dar conta de todo serviço. Era muito sofrimento. Para a maioria das pessoas ter riqueza é ter dinheiro, mas na zona rural ter riqueza é ter água. Ela é o bem mais precioso para nossa vida”.

Recentemente, o Instituto Iguá anunciou a adesão à aliança com investimento de recursos financeiros e horas de apoio técnico, envolvendo a equipe do Instituto e da Iguá Saneamento. Haverá participação na governança da aliança, contribuindo com as decisões estratégicas, mobilização para a causa e atração de novos parceiros.

Além do Instituto Iguá e do Instituto Coca-Cola Brasil, que participam como coinvestidores, integram a iniciativa o a Fundação Avina, a World-Transforming Technologies (WTT) e o Instituto Trata Brasil, como organizações de apoio, além de nove organizações sociais com ampla atuação em comunidades nas regiões atendidas: SISAR-CE, SISAR PI, Central de Associações (BA) Projeto Saúde e Alegria (PA), Fundação Amazonas Sustentável (AM), Cáritas de Pesqueira (PE), ABES-ES, ASPROC (AM) e CPCD (MG).




Compartilhar:

 

twitter

Parceiros